UM ENFERMO À JANELA - Distrito de Ribeirão Pequeno

publicado em:2/04/18 1:47 PM por: Jurandir Figueiredo Histórias e FatosPoesias de Ribeirão

Domingo, 23 de Novembro de 2008

É duro sentar à janela,
Apreciando, lá fora, à vida passar.
Ah se pudesse sair agora!
E entre os outros caminhar!

As pessoas que, na rua, andam (passam),
Não sentem o tempo vagar
É triste eu aqui dentro,
Com vontade de estar lá.

Os transeuntes lá da rua,
Quando passam, nem olham pra cá.
Gostaria de ver apenas um aceno,
Enquanto, em seu livre caminhar.

É difícil querendo sem poder;
Sentir que tem que agüentar.
Pensar em fazer tantas coisas,
Mesmo difíceis de se realizar.

Aqui, um dia parece um mês,
Sem direito a folgar.
Se demorar muito, é um ano sem férias.
Já não dá pra suportar.

Quando recuperar a saúde,
Eu sei que irei me cuidar.
Aventuras não farei,
Pois, minha vida, quero amar.

Enviado por: Manoel Liones Adriano



Post Tags


Comentários



Adicionar Comentário